O que é a autoprodução de energia?

A autoprodução de energia é um modelo que ganha destaque no setor elétrico, pois coloca nas mãos dos consumidores, sejam eles residenciais, comerciais ou industriais, a capacidade de gerar sua própria eletricidade.

Em essência, a autoprodução é um modelo pelo qual os consumidores geram sua própria energia por meio de fontes renováveis, como solar, eólica e hídrica. Ela garante o suprimento de energia e a redução de custos com seu fornecedor atual, além de contribuir para o meio ambiente com melhores práticas ESG. 

No contexto brasileiro, a autoprodução ganha tração com investimentos vultosos em energia solar. Em março, o País superou a marca histórica de 40 gigawatts (GW) de capacidade instalada proveniente da fonte solar fotovoltaica, segundo a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar). Esse número inclui não apenas as grandes usinas de energia (centralizadas), mas também os sistemas de geração distribuída, ou seja, sistemas de geração de energia presentes nos telhados, fachadas e pequenas áreas. De acordo com mapeamento da entidade, isso equivale atualmente a 17,4% da matriz elétrica brasileira. 

No Mercado Livre de Energia, os consumidores que optam pelo modelo de autoprodução têm a liberdade de escolher o parceiro de negócio que desenvolve um projeto específico para a sua necessidade energética. Ao se tornar um autoprodutor, os consumidores podem reduzir a sua dependência energética e seus custos com energia e até mesmo gerar excedentes energéticos e comercializá-los no mercado.

Para os consumidores que estão no Mercado Livre de Energia, a redução de custos será percebida tanto na fatura com a distribuidora local quanto nos custos dos encargos setoriais pagos na CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica).

Esse caminho envolve nuances técnicas e regulatórias, pois, instalar sistemas de geração requer planejamento, investimento e normas específicas. Na Atiaia Renováveis, trabalhamos no desenvolvimento de projetos de autoprodução que atendem às necessidades específicas de cada Cliente, reduzindo em média 30% os custos de empresas brasileiras em relação ao Mercado Livre de Energia. Empresas de médio e grande porte podem escolher entre dois modelos de contrato para produção de energia solar: o arrendamento ou a equiparação. 

O modelo de arrendamento não exige demanda mínima contratada, permitindo que consumidores com menor consumo se tornem autoprodutores de energia e desfrutem dos benefícios econômicos desse modelo, o que ocorre por exemplo no setor de comércio e serviços, e não é necessário um investimento inicial, apenas o pagamento de um valor fixo mensal.

Já no modelo de autoprodução por equiparação, a demanda contratada mínima é de 3 MW, o cliente se torna  sócio do empreendimento e é indicado para empresas do segmento industrial. O investimento inicial é proporcional à participação e o pagamento mensal é variável, em função do volume de energia gerado e do tipo de contratação. 

Conheça nossas UFVs em operação no modelo de autoprodução de energia

A autoprodução contribui significativamente para a redução de emissão de carbono e, à medida que avançamos rumo a um futuro mais sustentável e eficiente, a autonomia energética se destaca como um passo crucial na jornada para uma sociedade mais consciente e autossuficiente. Além de proporcionar previsibilidade nos custos, ela reduz encargos e promove melhores práticas ESG.

Data da publicação: Maio/2024

Compartilhe!

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email

Deixe seu comentário!

{{ reviewsTotal }}{{ options.labels.singularReviewCountLabel }}
{{ reviewsTotal }}{{ options.labels.pluralReviewCountLabel }}
{{ options.labels.newReviewButton }}
{{ userData.canReview.message }}

Conheça a Agenda 30 e os 17 ODS da ONU

Atiaia Renováveis fecha acordo com o Aché para geração de energia limpa